Esperança Gratidão Saudade

Uma criança pode salvar uma mãe defilhada!

Tenho dias que não sei o que sinto de verdade.
Mesmo que reaja sempre a todos os estímulos que me são oferecidos.
A verdade é que na maioria dos meus dias a tristeza ganha. A saudade ganha. A melancolia ganha. Fico imaginando tudo o que perdi. Tudo o que não me deixaste viver contigo e faço força na minha mente para me desligar.
Olho para o lado, aprecio mais uma flor, seja qual for o dado que me enalteça para me empurrar para um caminho sem dor.
Mas a verdade, é que esse caminho não existe mais.
A dor persiste em cada falta, em cada desejo, em cada memória mais triste tua.
Apesar de tudo, a vida tem sido justa comigo.
Não o considero perante a tua partida, mas tenho que a encarar perante a vida que levo e vivo a cada instante.
Recentemente fui presenteada com um presente maravilhoso vindo directamente do céu. A minha pequena Maya Liz.
Não podia ficar mais feliz a não ser com a tua presença aqui e não no céu.
Mas a Maya vem como prova do amor e de resiliência.
A Maya veio trazer-me de novo a luz e a felicidade transformada na capacidade de se amar um ser tão delicado e pequeno que não nasceu de mim, mas que foi concebido para mim.
Ser madrinha nesta altura da minha vida vêm mostrar-me que o futuro pode sim ser promissor, que a felicidade está bem ao meu redor e que para isso basta estar atenta.
Sorrio com mais vontade, com mais sinceridade porque no meu coração não cabe a felicidade que quero partilhar com o mundo.
Todos os dias desde o dia 05 de Abril de 2021 que o meu pensamento se volta para ti, minha pequena e doce Maya.
Hoje tive a prova disso.
Apesar de tudo o que vivi no dia de hoje a saudade imperava como rainha. Para ser sincera não me sentia bem em lugar nenhum.
Até o passeio que dei se tornou claustrofóbico porque a minha mente estava permanentemente ligada em ti meu amor.
Mas em verdade o digo que ao pensar em estar com a minha princesa, a minha mente desligou-se da tristeza e focou-se únicamente no momento em que eu estaria com ela.
Ao vê-la, ao tê-la nos meus braços com o seu perfume natural, adormece-la, beija-la, dar-lhe de comer, esqueci por momentos quem eu era.
Foquei-me somente no papel que agora desempenho na vida da pequena Maya.
O de ser madrinha.
E que nome tão abençoado.
Mãe ao quadrado de um ser tão adorado como o que carrego nos meus braços.
Ainda só com dois meses, mas com tanto já oferecido a esta mãe defilhada que tudo fará para que não te falte nada na vida.
Maya como o nome indica. Deusa da terra.
Amante da natureza como a tua madrinha.
Quando em tempos escrevi a outras mães que não deixassem morrer o amor porque haviam tantas crianças a precisar de um protector, estava longe de imaginar que esse dia chegaria para mim.
Confesso que já só sonhava com o dia em que me tornaria numa avó.
Famílias de acolhimento no nosso país é um caso complicado mesmo perante tanta carência em crianças que vivem sem afecto.
Mas mães…
Não estamos sozinhas.
Existem os sobrinhos, existem os filhos dos amigos, existem os alunos com quem têm o prazer de lidar e ajudar a educar.
No fundo basta transformar e transportar esse sentimento que têm bem dentro dos vossos corações e que tanto partilharam com os vossos filhos e passarem a partilhar com os demais.
Não falo em substuir nada.
Falo em partilhar e em fazer crescer o que tão puro têm dentro de vós.
Desejo que o meu exemplo possa ser uma descoberta para vós. Desejo que as familias que têm mães defilhadas, olhem a um simples gesto como este que a mamã da Maya teve para comigo.
Tornar-me num ser importante na vida da sua filha.
Ela não sabe nem pode saber o tamanho do gesto com que me presenteou. Porque só quem passa por uma tão dolorosa perda como a nossa pode experiênciar a verdadeiro sentido da palavra renascer, ao nos ser confiado o crescimento e a vida de outro amor.
Uma criança pode salvar uma mãe defilhada e não é preciso muito para isso acontecer.
Passamos a ter outro objectivo de vida sem nos termos que sentir perdidas do nosso amor que partiu.

E é por isso que não me canso de enaltecer e agradecer!

O amor está no ar!

É o sorriso a espreitar através de um gradioso gesto da tua mamã.
Dar-me uma oportunidade de ter mais um amor para cuidar, mimar, proteger.
Quando eu não contava com mais nada para me enaltecer, tu surges na minha vida como uma bênção.
É a prova de que o amor existe mesmo no meu caminho e que o percorro de forma tranquila e serena.
Para uma mãe defilhada só o amor faz sentido. Só o amor nos renasce no meio da dor e da saudade.
Já não me sentia assim tão abençoada há mais de 21 meses.
Surges como prova, de que sempre devemos fazer o bem sem olhar a quem.
É um agradecimento da tua mamã para mim.
E eu agradeço-lhe por tão grande prova de amor e carinho transformado num ser como tu querida Maya Liz, que tudo farei para te ver sempre feliz.
És minha, assim como eu serei sempre tua.
Gratidão ao céu!
Gratidão a Deus!
Gratidão ao poder do amor!
Gratidão aos anjos que nos juntaram às três nesta caminhada de vida.
Este novo amor, só vem trazer mais cor ao nosso modo de caminhar.
Experimentem tentar.

Amo-te pequena Maya Liz.
Minha deusa da terra.

Amo-te Pedro, meu anjo.

com carinho,

A mãe do meu filho tem asas.

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *