Amor, Gratidão, Luto, Morte, Pedro, Saudade, Sinais, Tristeza

Um sonho diferente contigo filhote

Ontem fiz um pedido ao destino, que embora não se tenha materializado, ele de alguma forma se manifestou para me acalmar um pouco.

Desde a morte do meu filho Pedro, que eu só sonhara umas duas vezes com ele e na última, ele estava de costas para mim e apesar de o chamar repetidamente ele não se virou para mim.

Mas hoje foi diferente!

Hoje vivi um sonho na presença do meu filho Pedro, onde se encontrava também o meu filho David.

No sonho eu pude ver o Pedro em todas as fases da vida dele somente até aos 9 ou 10 anos. Parecia um filme passado numa grande tela, onde o Pedro interagia comigo desde bébé até à altura de um salto dado na companhia do David em pleno oceano.

Mais estranho ainda foi o facto de durante o sonho eu fazer a análise da queda daquele prédio, onde na minha mente só pairava a mensagem.

-“Vais-te magoar!”

-“Não façam isso!”

-“Foi assim que fizeste Pedro e eu fiquei privada de ti para sempre.”

No meu sonho depois do salto de ambos, mergulhei no oceano para os encontrar. Só via pernas e braços no ar e acordei.

Não sei que mensagem retirar deste sonho, não sei se deva ficar feliz por me teres vindo visitar, ou se ficar apreensiva, no caso de ser alguma mensagem de alerta que me estejas a dar.

Algo igualmente estranho aconteceu enquanto estavas no cimo da rocha com o mano David.

O teu rosto mudava.

Num instante eras tu e em outro instante o mano Francisco. Sempre a sorrirem para mim.

Queria tanto entender este sonho, o porquê de só me teres aparecido desde o nascimento até aos teus 9 ou 10 anos.

Porquê te teres misturado com o Kikinho mesmo no final do sonho.

Seja que mensagem for, quero muito agradecer-te o momento da tua visita onde me reavivaste momentos de nossas vidas, onde me mostraste que a tua felicidade era plena.

Amo-te tanto Pedro e sinto-me triste, talvez pela data que se aproxima e que já me provoca um mau estar geral em todas as partículas do meu corpo.

A todo o instante sou inundada de saudades onde as lágrimas deslizam pela minha face sem pedir licença.

Desculpa-me filho, por me sentir mais sensível e mais fraca hoje e nos próximos dias que se aproximam.

Com um aperto terrível no peito e uma saudade interminável.

A tua mãe,

A mãe do meu filho tem asas.

Foto de Rute Reis Figuinha

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *