Amor Irmãos Luto Morte Pedro

Um dia da Mãe diferente de todos os que ficaram para trás

Hoje o meu dia, (3 de Maio de 2020) amanheceu com um “Feliz dia da Mãe”. Uma frase à qual não tive a reacção normal, porque me foi impossível conter as lágrimas e acabei por chorar. Chorei sozinha agarrada à minha almofada e fiquei amargurada por uns momentos.

Não consegui proferir uma só única palavra.

Ao meu pensamento só me vinha a imagem do meu filho já falecido e de como eu desejava que ele estivesse aqui comigo.

Lembrei-me das fotos que tirámos o ano passado neste dia e lamentei mais uma vez a sua escolha.

Não é, nem nunca voltará a ser fácil passar por este dia sem ele.

Levantei-me com uma terrível dor de cabeça e tentei desligar-me da tristeza, mas não consegui.

Passei da cama para o sofá e ali permaneci a ouvir as canções que tenho cantando ultimamente, nas quais me sinto acompanhada de sua presença, porque ele gostava imenso de cantar comigo.

Mas o meu dia não termina aqui e eu não sou só mãe do Pedro. Tenho o meu amor David e o meu amor Kiko que tudo tentam para que me sinta amada e acarinhada, não só neste dia, mas em todos os dias da minha vida.

Fui presenteada com a visita de uma borboleta enquanto eu cantava no meu quintal.

Fui presenteada com um coração que me surge na capa do livro que a minha querida Carmen Peixe me ofereceu. Estranhamente só hoje reparei nele. Um feitio da cortiça que se parece um coração. Não podia ter sido encontrado em mais nenhum dia que não este.

Fui presenteada com uma coluna JBL Clip que vem mesmo na hora certa, porque amo musica e tenho cantado muito para me sentir mais leve.

Ambas as ofertas agradeci com amor.

Passei o dia a cantar, a comer, a ver filmes e ainda dei um pulinho no trabalho.

Tentei que fosse um dia o mais normal possível, se é que existe algo de normal num dia em que nos falta um filho para nos acompanhar.

Com um enorme respeito por todas as mães e pais defilhados que neste dia é ainda mais doloroso não os ter por perto para receber aquele abraço, aquele beijinho envolvidos por um “Amo-te muito Mamã”.

A mãe do meu filho tem asas

Foto de Rute Reis Figuinha

Nota: Um ano separa este momento!
Um dia da Mãe diferente!
Um dia que nunca mais voltará a ser o mesmo porque me falta um filho.
Um filho que só permanece vivo no meu e no coração de quem o ama integralmente.
Saudades tuas meu Amor.

Obrigada filhotes por me terem mimado no dia de hoje. 💙💙
Amo-vos tanto tanto tanto

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *