Amor Luto Morte Pais Saudade Suicídio

Tens sempre o poder do teu lado!

A tua imagem. carrego-a no meu peito e o  teu amor em cada batimento do meu coração.

É impossível esquecer quem és, foste e sempre serás para mim. Na verdade, não quero esquecer, porque é precisamente esse detalhe que me mostra o quanto nós somos humanos e o quanto um momento menos bom pode ferir para sempre o nosso discernimento e marcar as nossas vidas.

O momento da tua escolha foi um momento de muita amargura no teu coração, mas foi a tua mente que agiu por ti. Não pensaste em mim ali, não pensaste em ninguém e seguramente não pensaste em ti. Ou terás pensado e julgado ser a tua única solução.

É aqui!

Precisamente aqui que vos remeto para este episódio que muitos de vós trazem escondido no vosso peito e no entanto bem vivo no pensamento.

A vossa destruição não oferece nada de bom a quem fica, e seguramente a vós que nos deixam envoltos de amargura e de um sentimento de autêntica frustração e impotência perante o vosso acto.

Queria que tivessem mais vontade de se amarem do que vontade em se aniquilarem.

Já vos partilhei outras vezes que eu podia ter escolhido igualmente o caminho da amargura, mas ao invés disso, escolhi amar-me mais e mais…

Como?

Amando-vos do mesmo jeito.

Não preciso conhecer-vos pessoalmente para colocar o meu poder em prática.

Só preciso de vos oferecer um pouco do que sinto e de como vivo, mesmo perante a morte do meu filho Pedro.

No outro dia um senhor me dizia…

“Tem dias que a vontade que me dá, é a de colocar um fim no meu sofrimento. Não tenho nada, não tenho ninguém, só tenho a minha irmã e nem sequer vive perto. Dedico-me unicamente aos meus animais de estimações e por isso também vivo preso a eles, sem sair para lado nenhum. Já não sei há quantos anos não tiro férias para mim. Aos meus 28 anos cometi um erro que me custou toda a minha felicidade.”

Apesar do conteúdo da sua mensagem verbal, nada me suporia ouvi-la da sua boca, quando minutos antes ele me tinha passado uma mensagem que tudo indicava ser repleta de energia, mas rapidamente vi que este homem vive amargurado, que não é feliz e que a imagem que ele passa para o exterior não é a sua verdadeira.

Olhei para ele e deixei falar tudo o que sentiu na vontade em falar comigo. Este senhor conhecia-me há precisamente 15 minutos e nunca antes nos tínhamos visto na vida.

E tudo isto porque eu havia ralhado com ele por causa da hora.

O qual me respondeu…

Sr. – D. Rute, porque está a ralhar comigo? Olhando para mim fez-me mais algumas questões.

Sr. –  Tem filhos?

Eu – Sim

Sr. – É casada?

Eu –  Sim

Sr. – O seu marido é bom para si?

Eu – Sim

Sr. – Acorda todos os dias com saúde e a respirar?

Eu – Sim.

Sr. – Tem trabalho?

Eu – Sim

Sr. – Gosta do que faz?

Eu – Sim

Sr. – Então seja grata e feliz porque está viva e tudo tem para viver tranquila.

Sr. – Já viu como os seus filhos são lindos?

E eu respondi…

Eu – São sim, mas vivos só tenho dois. O mais velho perdi-o o ano passado porque se entregou ao sofrimento e matou-se. Por isso, a mulher que você está a ver na sua frente, que sorri e brinca, e ralha consigo, é muito mais do que simplesmente um rosto. Eu posso dizer-lhe que já tive tudo e hoje não é bem assim. Falta-me o meu filho mais velho. O meu primogénito, o primeiro que me chamou de mãe e me tornou na pessoa mais feliz do mundo quando nasceu. Por isso se estou aqui, e perante si, é porque amo demais a vida e acima de tudo amo-me a mim mesma, mais do que tudo.

O senhor, assim que lhe disse que havia perdido um filho, ele deu logo um passo atrás e baixou a cabeça. Vi que ficara triste, mas isso não o impediu de me partilhar o seu pensamento seguinte. Da vontade que tem em morrer.

Interagimos o tempo que nos foi possível e sorrimos e demos gargalhadas e ainda me perguntou porque eu não pintava o cabelo? Se todas as mulheres o faziam.

Respondi que eu não sou como todas as mulheres e que nunca mais pintarei o meu cabelo, porque me aceito como sou. Aceito o que tenho e não tenho.

Olhou para mim nos olhos e disse-me:

Sr.- A senhora é segura de si mesmo, sabe o que quer!

Eu – Sim! E orgulho-me imenso disso! Essa é a minha salvação. E eu não desisto de mim e muito menos dos outros que precisam verdadeiramente de mim e querem verdadeiramente ser ajudados.

Eu poderei estender a mão, mas cabe somente à pessoa não a largar. E quanto a si… Escute com atenção o que lhe vou dizer. Agarre em tudo o que me disse assim que ralhei consigo e coloque-o em pratica na sua vida. Escolha viver! É livre! Tire férias dos seus animais, passeie, viva! Escute e interiorize cada palavra que me disse na sua mente e no seu coração e nunca mais as repita.

O senhor riu-se e proferiu novamente que com ele era diferente, porque ele não tinha nada.

A nossa conversa terminou e cada um seguiu o seu caminho. Se fez a diferença aquele homem me ter conhecido…não sei. Mas se calhar poderá pelo menos uma vez na vida, colocar-se lado a lado verdadeiramente com alguém que já teve tudo e hoje não têm porque simplesmente o complemento partiu para sempre e não unicamente porque mudou de zona geográfica.

O que eu vos quero passar com esta mensagem, é simples.

Acredito que pensem que os vossos problemas são imensamente maiores do que os que vivem convosco ou partilham da vossa vida, mas… Se pararem um pouco que seja e olharem mesmo ao vosso redor…vereis que o vosso problema é menor e menos duradouro.

Porquê?

Porque na maioria das vezes, senão quase todas… Podemos corrigir, melhorar, lutar pelo que verdadeiramente precisamos para encontrar o caminho da tranquilidade e aceitação.

Quero-vos dizer… Que a Morte é verdadeiramente o único problema que jamais poderão corrigir, seja a vossa ou seja a de alguém que vocês tanto amam. 

Mas…

Podem agarrar nessa força que vos envolve de tristeza e amargura e viverem! Dar tudo, ir com tudo ao fundo da questão, em que vocês se porão em primeiro lugar no rumo â vossa salvação.

O de tentarem serem felizes!

Tenham sempre presente isto que vos digo.

Para gostarmos de nós em primeiro lugar, não precisamos esperar por nos tornarmos perfeitos, até porque isso não existe. Mas…

É crucial amarmo-nos. Esta é a forma mais tranquila para se criar uma vida mais saudável. Uma vida mais seguros de nós mesmos.

Pensem com carinho nestas minhas palavras e usem-nas para o vosso amadurecimento perante a vossa vida.

Com um enorme respeito por todos vós,

A mãe do meu filho tem asas

Foto de Rute Reis Figuinha

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *