Gratidão Luto Morte Pedro Saudade Tristeza

Rute ficaste triste porque o teu filho morreu?

Hoje acordei como o tempo fechada, com um nó na garganta e vontade de chorar a todo o instante.

O meu coração parecia uma bomba prestes a rebentar. Tic tac tic tac.

Até que fiz o gosto à alma e chorei.

Chorei muito, sem vergonha, impelindo-me a soltar esta dor que tem dias que não me deixa reagir.

Hoje foi dia da consulta de psicologia, e ainda bem que foi, porque pude explodir deixando transparecer

que por debaixo deste escudo que uso todos os dias, existe na verdade um ser frágil e sofredor.

Confesso que ontem não foi melhor do que o dia de hoje e tudo porque quatro meninas na sua pura inocência,

colocaram-me uma questão que me desarmou.

Rute ficaste triste porque o teu filho morreu?

a partir daquela questão fiquei bloqueada pela dor de reviver tudo em fracções de segundos

o que já vivi até aqui desde o dia 24 de Maio de 2019.

Pedi-lhes desculpa e no meio de um abraço apertado que uma das meninas me deu, saí dali.

Foi impossível conter a minha tristeza e muito disfarçadamente deixei cair umas lágrimas.

Mas um gesto aqueceu o meu coração.

Enquanto observava todas as crianças que me rodeavam, sou surpreendida com um gesto de amor.

A Catarina e a Maria Leonor, vêm ter comigo ao banco do jardim e pedem-me para abrir a minha mão,

e com um simples gesto, enchem o meu coração.

Cada uma trazia margaridas colhidas no momento para mim.

Sem se darem conta que eu me encontrava triste no momento.

Foi um gesto que me fez voltar a sorrir novamente.

Um sinal do Universo trazendo-me a mensagem de que eu não estou sozinha,

nem nunca estarei, enquanto eu for espalhando amor no coração de todas as crianças

com quem me relaciono. É por isso que a minha palavra para todas elas é

“Gratidão”.

Voltando ao dia de hoje, apesar de toda a força que vos tento passar com o poder das minhas palavras,

o que vos quero mesmo dizer mamãs, é que é legitimo termos dias horríveis, dias em que a esperança espreita, e dias maus ou piores ainda, onde não se consegue sentir nada face ao que se vive.

Há mais de 15 dias que não tenho tido sinais do meu filho, mas hoje foi um dia diferente.

Depois de sair da consulta, do nada cai-me uma pena branca lindíssima aos pés.

Baixei-me e apanhei-a sem nada dizer, somente a guardei numa das paginas do livro que ando a ler.

E agradeci com o coração.

E por ultimo neste texto, deixo-vos com a ultima frase que ouvi hoje da boca da minha psicóloga.

Rute tenha um ano melhor. E que não é difícil.

Dá que pensar não dá?

Com carinho,

a mãe do meu filho tem asas.

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *