Amor, Esperança, Morte, Pais, Saudade, Tristeza

Para ti Mãe Defilhada

Mãe!

-Quantas vezes quiseste sorrir e não tiveste forças?

-Encontra-as.

Mãe!

-Quantas vezes sentiste a necessidade de te deitares na minha cama e cheirar todos os meus pertences?

-Deita-te mãe, abraça-os, cheira-os. As memórias de me veres lá deitado, de me beijares, de me ires acordar e veres a usar cada um deles vão desassossegar o teu coração e acalma-lo ao mesmo tempo.

Mãe!

-Quantas vezes caminhas pelas ruas com as lágrimas nos olhos sempre que te lembras de mim?

-Derrama-as.

Mãe!

-Quantas vezes quiseste ficar quieta deitada na tua cama sem fazer nada?

-Permite-te ficar.

Mãe!

-Quantas vezes procuraste por mim no modo de caminhar de um jovem, ou procuraste ver estampado em seu rosto um sorriso igual ao meu?

-Procura e encontrarás.

Mãe!

-Quantas vezes desejas-te ser abraçada em diversos momentos do dia enquanto te lembravas de mim?

-Procura o abraço.

Mãe!

-Quantas vezes olhaste para o lugar do pendura no teu carro e desejaste ter-me a teu lado enquanto cantavas?

-Muitas! Então canta.

-Mãe! Não deixes de ser quem és, não permitas que o teu verdadeiro ser que eu tanto admirava, se apague. Embora, não me consigas ver, abraçar, cantar, sorrir, andar ao meu lado e brincar mais comigo, consegues amar-me e sentir o meu amor por ti.

-Então não desistas Mãe!

-Nunca estarás só!

-Lembra-te sempre que o amor tudo pode e que eu embora esteja em outro plano, nunca te abandonarei. Seguirei o teu exemplo, caminhando contigo de mão dada até ao teu último sopro. Eu sei que tudo fizeste para me salvar, para me sacudir, para me manteres vivo (a), mas não foi possível. Faltaram-me as forças, mas nunca o amor que sinto por ti ou tu por mim. Tu tens direito de ficar triste sim, mas não deixes que a tristeza se acomode. Sacude-a de vez em quando.

-Amo-te muito Mãe!

Com um enorme beijo e um abraço terno cheio de carinho a todas as mães defilhadas.

A mãe do meu filho tem asas.

Foto de Rute Reis Figuinha

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

4 Comments

  1. As vezes estou na rua e de repente lembro que eles não estão mais aqui! Eles gostavam de música sertaneja! Gente , aqui em Brasília ( os carros de aplicativos estão sempre tocando) eu não sou fã mas passei a ficar atenta e de recente os meus olhos estão molhados! Voltar pra casa é sempre assim. Eu perdi minha filha, minha neta e meu genro na mesma hora! Tem um ano, 7 meses e 8 dias , 9 horas .

    1. Rute Reis Figuinha says:

      Minha querida Francisca, lamento profundamente a sua enorme perda. Não há mesmo palavras para definir a dor que sente nem angustia de cada momento sem eles. Mas recordar é importante sim, e chorar de saudades também o é, e passar a gostar do mesmo que eles gostavam é igualmente um acto de amor. Coloca-nos mais parto de suas presenças que foram um dia físicas e materiais.Deixo-lhe um enorme beijo com carinho e um abraço que se estende até ao Brasil. Sinta o meu calor. <3 Com carinho, a mãe do meu filho tem asas.

  2. Jaqueline says:

    Sempre leio suas mensagens,me faz um bem danado. Sabe lutei tanto por meu filho,não desisti dele nem um só segundo,mas fraqueijei,não consegui salvar meu filho dele mesmo. Se meteu c pessoas erradas,e já fazem 5 meses q não o vejo,vivo um luto q nem sei se existe. Mas sabemos no nosso íntimo q não o temos mais. Nem um último abraço, beijo,um eu te amo não tive o direito de dar ao meu filho,sequer um enterro . Sofro mto c essa dor

    1. Rute Reis Figuinha says:

      Meu Deus Mãe! A sua agonia não é muito diferente da minha 🙁
      Nem sei o que lhe dizer. Acredite!
      Lamento muito todo o seu sofrimento.
      Lamento profundamente!
      Um enorme beijo no seu coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *