Saudade

Olha para mim com olhos de ver

A Saudade teima em resistir ao fator tempo. e eu tenho momentos que não sei como lidar com a dor que sinto e adormece todo o meu corpo.

Hoje, apesar do sol quente que fez lá fora, necessitei estar quieta e aninhada no meu sofá.

Ainda esta manhã saí da minha cama e senti uma necessidade enorme de ir ter com o Kiko que ainda dormia na sua cama. Aninhei-me a ele e chorei.

Chorei de dor e de saudade, chorei das memórias que carrego comigo.

Tenho-me dado conta ultimamente que o Kiko se parece muito contigo. Serão saudades Pedro?

Serão verdades? Estou certa que o tempo me ajudará a decidir.

Só para te contar que a nossa gata Pantera não ficou indiferente e logo que me sentiu triste procurou o meu peito para me acalmar e deitou-se a ronronar em cima de mim, afagando-me com as suas patinhas e miando de vez enquanto, ali permaneceu olhando o meu rosto.

E ali estava eu, abraçada no meu Kiko e com a Pantera no meu regaço tentando dissipar a dor que teima em não acalmar.

Finalmente adormeci.

Quando acordei meu amor, tinha o teu mano Kiko a dar-me muitos beijinhos e a dizer-me o quanto gostava de mim.

Têm-me chegado vários testemunhos que agradeço de coração. Uns partilhando suas preocupações com um filho, um sobrinho, ou um neto.

Outros que partilham da mesma dor, outros que partilham suas tentativas desesperadas de aniquilarem seus medos e angústias. Gostaria de ter o poder de terminar de vez com todas essas incertezas, mas não consigo! Não tenho esse poder!

Infelizmente por muito que tentemos, se o jovem não estiver aberto a ser ajudado ou a ser ouvido, é inglório toda ajuda que lhe quisermos prestar.

Nem médicos, nem medicamentos evitarão o seu sofrimento, só deixarão o jovem anestesiado.

Mas deixem-me salvaguardar que existem casos à excepção e graças a Deus que o existem.

Hoje em dia, chegam até mim testemunhos igualmente irreversíveis onde jovens da mesma idade e mais novos do que o meu Pedro, colocaram com sucesso um fim na historia deles.

No nosso tempo as coisas eram diferentes, não se falava tanto em suicido como agora e não era seguramente uma das maiores causas de morte nos nossos jovens.

Os tempo mudaram e os jovens com ele também.

Um “Não” outrora era aceite e hoje em dia sabemos que não é bem assim.

Pensei que o meu filho tinha tudo o que um jovem de sua idade deveria ter, mas pelos vistos ele não pensava assim.

Gostaria de ter uma palavra de conforto para todos os jovens que se debatem com todas as dúvidas onde se questionam se vale a pena viver. acreditem que era o que eu mais gostaria. Mas a única coisa que vos posso oferecer é o meu testemunho, a minha palavra.

Se os vossos filhos, sobrinhos, netos ou amigos vos falarem de morte? mostrem-lhes os meus textos, o meu sofrimento, onde a degradação do ser humano não fica só num papel.

Falem com um grupo de luto e permitam-se a ler seus testemunhos.

Se for um pai ou uma mãe a ler este texto, olhe nos olhos do seu jovem e diga-lhe que não quer ser como eu, não quer viver a experiência da dor de perder um filho.

Diga-lhe que quer que ele tenha a força suficiente para combater todas as nuvens negras que se abateram sobre ele e que o que mais deseja é que ele seja feliz e que pode contar sempre consigo para falar e chorar se assim ele desejar.

Se ele assim mesmo não estiver convencido, ele que olhe nos olhos de uma mãe que perdeu o seu filho. Estou certa que entenderá o tamanho da dor envolta de impotência.

Se fores tu o jovem que sofre com estas dúvidas, e com a dor e desespero? Lê com o teu coração todas as minhas palavras, olha no meu rosto do antigamente e do agora e imagina por um só segundo a tua mãe e o teu pai no meu lugar.

Não queres isso pois não?

Então por favor, faz um esforço! Luta por aniquilar esses pensamentos negativos e destruidores,

Pára de te mutilares!

As marcas não te vão ajudar em nada e a dor que sentes com elas são apenas momentâneas.

Pede ajuda!

Deixa que te ajudem!

É normal um jovem dos 15 aos 20 anos debater-se com todos os tipos de fantasmas, mas acredita por favor! Que tudo vai passar!

O que nunca passará é a tua morte!!!

Tudo vai melhorar e um dia quando olhares para trás irás rir-te e auto-intitulares-te com um vencedor!

O Herói de ti mesmo!

Com carinho, Mãe de um filho com asas.

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *