Pais Tristeza

Mete a minha família em pausa por favor.

Confesso que apesar de ter uma grande capacidade de gerir muita coisa ao mesmo tempo, tem momentos que me questiono como sou capaz. Hoje mais uma vez me puxam o tapete debaixo dos pés e eu fico sem reacção. Não bastava já ter ficado sem o meu Pedro naquele maldito dia 24 de Maio, hoje mais uma vez, revivo quase todos os momentos malditos daquele fatídico dia.

As viagens que fiz, a mesma história maldita que levara ao desespero do meu filho tendo como final aquele maldito salto.

Mas quando irei ter sossego? Quando chegará o momento em que o universo baixará os braços e nos deixará respirar.

Em todo o lado oiço questões de como foi o ano de 2019 para este ou aquela pessoa e o único sentimento que me assalta o coração é o de maldito sejas ano de 2019. Foi um ano terrível, cheio de dor, angustia, e de marcas que jamais irão sair da nossa carne, ossos e alma.

Não faço mais previsões de futuro, nem coloco desejos nas 12 passas, ou nas cuecas azuis que vestia pela passagem do ano.

Não quero, nem me importa mais as festas de Natal ou Final do ano. Não festejarei. Apenas passarei os minutos acompanhada da minha família e sem muito dizer ou fazer. Na minha opinião bem pessoal, penso que devíamos festejar todos os dias de uma forma mais serena o facto de chegarmos ao final de mais um dia vivos e em pleno, mesmo com as falhas que possamos ter, fazer ou receber.

Não precisávamos de passar todo o ano envoltos de neblinas carregadas de problemas e tristezas para depois nos esquecermos de tudo num só dia e voltarmos a eles no dia seguinte ao festejo. Assim festejávamos todos os dias o facto de estarmos vivos e de poder respirar mesmo com os problemas diários, mas com a alegria de viver. Era assim que deveria ser. Talvez os problemas fossem menos graves e as consequências menos trágicas.

Confesso que me começo a cansar!

Todos os dias procuro soluções para me levantar, para caminhar o mais direita possível, mas a carga torna-se mais pesada. Não chega já?

Mete a minha família em pausa por favor.

Posso ter uma grande capacidade de encaixe, mas não me considero nenhuma mulher elástica para conseguir esticar tanto assim.

Nem consigo mais considerar tudo o que nos tem acontecido de azar, mas sim de uma perseguição exacerbada isso sim.

Chega! Se não dizes tu! Digo eu!

Não quero nem aceito mais nada de ruim vindo desse local que lhe chamam de Destino.

Com tristeza,

A mãe do meu filho tem asas

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *