Esperança Gratidão Luto Pedro Saudade Tristeza

Corro todos os dias para longe da minha dor

Corro todos os dias para longe da minha dor, mas ela não me deixa e persegue-me por todo o lado.

Ninguém sabe como me sinto de verdade.

Nem eu!

Todos os dias escondo um sentimento, uma emoção de alguém que me pergunta se estou bem. A verdade é que por mais que eu tente não consigo colocar no papel o grau exacto da minha dor e sofrimento pela perda do meu Pedro.

Vivo e sobrevivo a cada momento com um pensamento de que vou vencer mais esta batalha.

É isto meus leitores, a luta diária de uma mãe defilhada ou enlutada se assim lhe quiserem chamar.

Mudaste a minha vida.

Mudaste a cor da minha vida.

Mudaste todo o sentido da mesma, mas a minha essência, essa não mudaste. Ela permanece, fragilizada, mas de pé.

Sempre acreditei que chorar nos liberta, de todos os pesos que carregamos na alma, e é por isso que quando tenho vontade de chorar, eu choro. Sem vergonha, nem medo.

Busco por uma energia renovada envolta do sabor salgado de minhas lágrimas, que sem saberem condimentam o meu corpo.

Sinto-me mais leve depois de chorar.

Liberto-me, nem que seja por breves momentos desta dor e agonia.

É por isso que procuro estar próxima das crianças, de me envolver com a alegria delas, porque me deixam revigorada. O ambiente onde me encontro, fica mais puro, e aí eu penso com clareza.

Não!

As crianças não apagam completamente da minha mente, os momentos vividos, mas atenuam por, breves instantes a amargura.

Estou certa, que sabeis, que as crianças tem uma capacidade que elas próprias desconhecem, que é a cura pelo amor.

Deste modo Mamãs e papás, se me permitem uma sugestão, envolvam-se do amor das crianças que tem ao vosso redor e que fazem parte de vossas vidas e carreguem as vossas energias com sorrisos, abraços, brincadeiras, histórias, momentos de carinho. Porque sem se aperceberem, estarão no caminho da aceitação e da cura emocional. Não quero com isto dizer que substituem os nossos filhos, porque isso é impossível, mas ajuda. O poder do dar e receber é magnifico. 

Dêem amor a uma criança e receberão a maior fortuna das vossas vidas.

Tenho imensas saudades tuas meu Pedrocas,

Com amor,

A mãe do meu filho tem asas.

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *