Amor Luto Pedro Saudade

Como faço para te deixar ir?

Vai ser sempre assim, não é meu amor?

Eu a chorar e tu sem me poderes tocar.

Eu a falar para ti e tu sem conseguires fazer-me ouvir a tua voz.

Eu por vezes a rir das tuas brincadeiras e tu sem poderes fazer-me sentir a vibração das tuas gargalhadas.

Hoje entrei em nossa casa, sentei-me à tua secretária e mexi no  que um dia já foi teu.

Chorei, libertei parte da minha dor que acumulo todos os dias, desde que nos deixastes.

Li com atenção todas as frases que havias escrito na parte de dentro da tua mochila da escola e constatei que já andavas sem esperança há algum tempo, meu amor.

Frases misturadas com assinaturas de amigas e amigos teus. Misturados no meio da confusão para que não fosse por nós detectado.

Tanta coisa que nos ocultaste meu amor e agora que sabemos de tudo ou quase tudo, já é tarde demais para todos.

É horrível este sentimento de sermos colocados à margem do que vocês realmente sentem.

Para não nos ferires vieste a causar-nos a maior dor de todas. E porquê? Pergunto eu.

Porque pensavas ser já auto-suficiente para te intitulares maior de idade e detentor de todas as tuas vontades.

E no final de tudo,  foste tu mesmo!

Detentor do final da tua vida.

Deixo-vos um pequeno trecho de algo que li num livro que me encontro a ler entre tantos outros.

“O homem que mata um homem, mata um homem.

O homem que se mata a si mesmo, mata todos os homens.

No que lhe diz respeito, ele elimina o mundo.”

(Andrew Solomon, O Demónio da Depressão, pag 299).

Hoje mais uma mensagem tua me chega. Desta vez de uma pessoa diferente, uma grande amiga minha.

Informa-me que tem algo para me dizer, mas que nem sabe como o fazer. Diz que acordou durante esta madrugada contigo a falar com ela.

Diz à minha mãe; Deixa-me ir, liberta-me!

A minha amiga diz que acordou a repetir a frase. Ela nem sabia se fazia sentido.

Respondi-lhe: Faz sim minha querida, faz todo o sentido, eu náo consigo libertar o meu filhote, nem sei como fazê-lo.

Não posso chorar a tua morte?

Não posso sentir saudades tuas?

Não posso desejar que estivesses aqui comigo?

Não posso desejar que não tivesses cometido esta loucura?

O que não posso fazer afinal?

Diz-me!!!

Porque continuas a enviar mensagens a outras pessoas minhas amigas e a mim não?

A mim só me envias sinais da tua presença!

Tirando o outro dia com o teu irmão pequenino, não o fazes comigo porquê?

Consegues ao menos responder-me a estas dúvidas?

Se é o meu perdão que queres, eu perdoo-te mas ajuda-me somente como fazer.

Amo-te muito filhote, minha rocha.

Foto de Rute Reis Figuinha

Legenda da Foto: Nesta parede deixaste a tua marca para sempre. <3

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *