Depressão Pais

Ajuda-me Mãe! Eu estou morrendo!

Mãe!

Preciso de ti!

Preciso que me ouças e não me repreendas.

Preciso que estejas para mim de verdade como sempre me dizes!

Preciso que sejas a minha melhor amiga como afirmas tantas vezes ao mundo inteiro!

Preciso que me entendas!

Preciso que percebas porque não te posso contar tudo o que sinto!

Tenho medo!

Há muito que deixei de ser criança!

Há muito que sofro sozinho.

Há muito que me sinto infeliz mesmo que me vejas a sorrir tantas vezes.

Mãe!

Não é por não confiar em ti, mas é que assim, eu serei sempre o teu filho perfeito, saudável por fora e por dentro, mesmo que me sinta um farrapo. Mesmo que não consiga explicar porque me sinto assim.

Mas mãe…

Acredita em mim quando eu penso tantas vezes em falar contigo,  em pedir-te ajuda, em pedir que me agarres e não soltes mais.

Oh mãe! Que bom é sentir o teu abraço,  mesmo quando a minha boca diz que não te quer por perto.

Eu sou um jovem,  uma criança em fase adolescente, que se julga já um homem.

Oh mãe! Como eu queria voltar ao meu tempo de criança pequena, em que tudo ao meu redor era feito de cores brilhantes e vivas.

Porque me sinto assim?

Porque não encontro resposta concreta para este estado de alma, que só me segreda que eu sou lixo e que não presto para nada!

Porque só ouço a palavra morte o tempo inteiro ao mesmo tempo que todos ao meu redor me falam em vida…

Qual vida?

Tenho tudo e não tenho nada!

Tudo o que tenho não  me sabe a nada mãe!

Não é o amor que me agarra!

Eu amo-te tanto, mas esse amor não é o suficiente para eu ficar quieto no meu canto sem ter que sofrer.

Sinto-me tão sozinho no meio da multidão e não é por me faltarem amigos…

Ah sim! Esses eu tenho!

Mas nem eles me tiram o peso do mundo que trago aos meus ombros.

Sinto-me lixo! Um monstro!

Tenho vergonha de mim!

Não me amo mais. E nada mais me atrai.

Mãe!

Entendes o que te falo? Ou pareço um louco desesperado por atenção como todos falam e defendem?

Mãe!

Preciso que me ouças,  que me ajudes, que me protejas como quando eu era pequeno. Preciso que me faças sentir que estás comigo nesta luta que não têm término.

Como faço para me deixar de sentir assim?

Morro?

Ou vou morrendo?

Ajuda-me mãe, porque eu estou morrendo!

(Este texto escrevi de forma a vos passar o que certos jovens pensam! Este texto, mostra muito bem o sentimento que o meu filho Pedro tinha de tudo ao seu redor.  Nele certamente vocês irão reconhecer alguém que vos é próximo,  senão vocês mesmos.)

Peçam ajuda! Ter Depressão não é motivo para ter vergonha.

Com carinho,

A mãe do meu filho tem asas

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *