Saudade

Acorda-me filho

Acorda-me deste terrível sonho mau, sacode-me de vez em quando só para te voltar abraçar.
Preciso de te sentir e voltar a ver sorrir, como o meu coração adorava contemplar.
Não há letra de canção nem poema, nem declamação que não me faça lembrar de ti.
O meu corpo estremece, a minha alma enlouquece só de pensar no dia em que a morte te levou de mim.
Amo-te sabias?
Foste um raio de luz que me fez brilhar, e a mesma luz me faz abrandar quando agonizo de tanta dor.
Vivo o meu dia-a-dia envolta de tristeza. Quero-te aqui mas não te tenho.
Como eu gostaria que tivesses tido a força de encarar dia após dia contemplando mais um amanhecer, olhar o sol, deslumbrar a cor do céu ou o aspecto das nuvens parecendo algodão, num lindo céu azul.
Lembras-te do som do mar? E do cheiro da terra molhada? Lembras-te das estrelas no céu e de procurares a estrela polar? Uma estrela que guia e eu pensei que com ela sabias de cor o caminho de casa.
Lembras-te de me ouvires cantar? Como eu gostava que com um passo de magia tudo voltasse a ser como dantes.
Tenho a certeza de que lamentas a tua decisão.
Já descobriste que o amor não está só nos bens materiais?
O Amor é muito mais!
Amor era ter a oportunidade de te acordar com um beijo, logo pela manhã. Passar as minhas mãos pela tua pele e sentir o teu calor.
Amor era passar por ti na sala e ter o poder de te abraçar.
Amor era conseguir saber em que compartimento da casa te encontravas só pelo teu odor.
Amor era ouvir a tua voz quando me acompanhavas a cantar e entoavas a tua voz para a sentires vibrar em todos os sensores do teu corpo.
Ainda queres que te fale de amor meu filho? Ou já aprendeste da pior maneira a lição?
Vivo tão triste o meu dia-a-dia, obrigo-me a sorrir como que por magia, porque não sei onde vou encontrar as forças para continuar. Mas depois surge um abraço dos manos, um sorriso, e uma frase tão forte como um “Amo-te muito mãe” e eu encontro a minha missão.
Ser mãe! Algo maravilhoso com que eu fui abençoada e não desperdiçarei por nada porque é mesmo a minha razão de existir. É o que de mais belo deixo quando partir.
Como eu queria que não tivesses sido tão imprudente. Morreste-me Pedro e eu Morro-te a cada momento que não te consigo alcançar.
Amo-te imenso Pedrocas.

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *