Amor Auto-ajuda Luto Morte Pais Pedro Saudade Tristeza

Abrace todos os momentos porque eles são únicos

Saboreie o bom e o belo e relembre sempre com amor e saudade tudo o que viveu com as pessoas que amou na sua vida e lhe providenciaram momentos felizes.

Eu por exemplo hoje olho com mais dedicação tudo o que faço e dou ao próximo.

A morte do meu filho por mais ridículo que pareça fez-me olhar com olhos de ver tudo o que me rodeia.

Ontem mesmo quando acordei e fui beber a minha tradicional caneca de café no alpendre de minha casa, dei-me conta da grande orquestra de chilrar que estavam mesmo na árvore ao meu lado. Parei tudo e até o café bebi com calma para que a colher não fizesse barulho na loiça da caneca e deliciei-me.

Maravilhosa aquela partilha de centenas de pássaros pousados na minha nespereira.

Até o meu Bonnar gemia.

Se nos dermos conta, existem muitos destes momentos que desperdiçamos diariamente e muitos de vós nem acesso tem aos mesmos porque vivem em cidades de betão e com o barulho dos carros não dispõem desta maravilha para contemplar. Mas busque! Vá até um jardim e oiça. É muito relaxante, pelo menos comigo resulta.

Nestes momentos eu agradeço! Agradeço o que tenho e peço para que nunca acabe.

Quero recordar todos estes momentos de tranquilidade nas minhas memórias mais tristes de forma a fazer o balanço. É este parte do meu segredo!

Agarrar-me ao que tenho de magnífico na minha vida para contrabalançar o que de negativo me aconteceu com a morte do meu filho. Sei que nem todo o ser humano é capaz de o fazer. Eu mesma já tive os meus momentos de negação a todos estes aspectos da vida e do ambiente que nos rodeia, mas não era mais feliz por isso. Mas hoje… Hoje mudei.

A falta do meu Pedro na minha vida é avassaladora, mas não o consigo trazer de volta fisicamente, mas posso tê-lo ao meu lado espiritualmente, como?

Mentalizo que aquele momento na Natureza, está sendo influenciado por ele. Se faz sentido ou não, pouco me interessa. Interessa-me sim as armaduras com que eu me protejo para não sangrar tanto do meu coração.

Esta é uma forma de caminhar que também pode ser a sua.

Mentalizar um momento agradável ao seu coração nestes dias de ausência da pessoa que lhe faz falta na vida e colocá-lo lá como parte integrante do acontecimento.

E mentalize que a vai sempre acompanhar, mentalize um diálogo e agradeça esse momento de partilha com o seu filho ou filha.

A morte leva-nos os nossos amores, mas não a capacidade de os amar.

A morte não deixa ninguém levar consigo os seus bens quando morremos, mas o que fomos em vida, o bem que fizemos, todas as grandes experiências que vivemos, ficam. E tudo isso permite que todas as experiências que podemos viver com os que amamos tenham imenso significado, e que a nossa memória dure para sempre. Ninguém fica feliz com recordações materiais, mas as recordações vindas do amor e da partilha…há essas…é bem diferente não é?

De facto comprovo que as melhores recordações que tenho do meu Pedro, são as mais simples, sem valores monetários à mistura onde somente o ingrediente do amor perdura.

Por isso não adie mais.

Busque e encontre todos os momentos que quer viver em plenitude e deixar imortalizado no tempo. Relembre tudo o que lhe encheu o coração com a partilha do seu filho ou filha, ao invés de chorar dolorosamente a morte dele ou dela.

Sei que parece difícil, mas não é.

Sei que me vai dizer que não consegue, mas aqui tenho que a contrariar.

Consegue sim! Com calma, com amor, com saudade, com tristeza, mas consegue, um pouquinho hoje e mais um pouquinho amanhã. E quando se der conta já o faz tão naturalmente que aí sim. Será capaz de amar na mesma, sentir saudades na mesma, mas com uma nova luz na sua vida, onde o seu filho ou filha pode chegar até si sem ter que romper a armadura da dor e da partida.

Vamos tentar?

Com um enorme abraço envolto de carinho por todas as mães e pais defilhados.

A mãe do meu filho tem asas

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *