Amor, Pedro, Saudade

24 de Maio de 2020

Amo-te tanto Pedro, sinto tanto a tua falta.

Faz hoje um ano que decidiste da pior maneira em nos deixares.

Faz hoje um ano que no poder de decisão como maior de idade tomaste a pior decisão da tua vida.

Faz hoje um ano que me deixaste sem ar.

Sem força.

Sem alegria.

Sem esperança.

Faz hoje um ano que me presente-as-te com os dois beijos mais longos da minha vida.

Hoje sinto-me igual a este dia no ano passado, somente com uma diferença.

Sofro desde que abri os meus olhos pela manhã.

O ano passado sofria a partir da hora em que me disseram que um dos meus filhos havia sofrido um acidente. E parte de mim morria contigo a partir das 19:11.

Nunca mais a minha vida teve as cores brilhantes do passado.

Os teus sinais ajudam em muito e peço que nos continues a enviar, mas só eles não chegam.

Faltas-me tu!

Falta-me o teu beijo na minha face ou na minha testa.

Falta-me o teu abraço, as tuas gargalhadas, a tua rabugice, a tua teimosia, falta-me a tua presença.

Falta-me tudo o que é teu para eu cuidar.

Não me sinto mais zangada contigo, mas sinto um vazio na alma.

Sinto-me inconformada.

Sou e fui obrigada a aceitar a tua decisão, mas não consigo compreende-la.

Penso que morrerei assim sem compreender.

Talvez um dia me expliques…

Talvez…

Hoje entraste no meu sonho via-te vivo e a fazer algo que tanto amas.

Jogavas à bola.

Tu lá em baixo com tantos outros jogadores. E eu de olhos postos em ti.

No sonho, magoavas-te e eu só pensava em descer do sitio onde estava para te ir socorrer. Mas não me foi possível. Ao invés disso o local onde eu estava sentada, começou-se a mover e eu comecei a distanciar-me de ti.

Ouvia os teus gritos e via a tua cara de sofrimento e naquele momento via-te já com uma grande tala colocada na tua perna esquerda, mas não era uma tala qualquer.

Esta, era de ferro maciço.

Lembro-me de no meu pensamento, só referir que tu estavas vivo e somente com uma perna partida.

Não me deixaram chegar perto de ti e levaram-me dali para fora e eu acordei.

Mais uma vez, sem te ajudar por não me ser permitido.

Tenho tantas saudades tuas meu amor.

Queria tanto que todo o momento que vivemos o ano passado e todos os 365 dias que nos separam, não passassem somente de um sonho mau.

Mas não nos é possível.

Agora já não.

Recebe um beijo sem término no teu coração.

Um beijo que só terminará no dia em que nos for possível o nosso reencontro.

Amo-te Pedro, e jamais morrerás dentro de mim enquanto a mãe viver.

Com saudade,

A mãe do meu filho tem asas

Amo-te

Rute Reis Figuinha

O meu nome, Mãe.
Sou uma mãe de três filhos em que dois vivem comigo no plano terrestre e o mais velho de apenas 18 anos e 364 dias resolveu ir viver para o plano espiritual o resto da minha vida.
Somos uma família de cinco e seremos para todo o sempre.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *